História Não Publicada – Capítulo 3 – Parte 1

Para entender melhor este projeto.

Leia o primeiro capítulo.

Capítulo 3

A movimentação que existia lá fora ficou mais clara, a urgência fluiu em Emílio através de sangue e adrenalina. Pegou a sua arma de volta. Dessa vez não ligou para o revólver que o escritor empunhava.

– Caralho, Emílio. Seu tiro atraiu seja lá quem tiver lá fora. Por que diabos você foi atirar? Aqui era tipo uma sala do templo, ou algum lugar assim, seguro e coisa assim.

– Agora a culpa é minha? – um tipo de inquietação diferente cravara suas garras no músico – Cê tentou roubar meu trabuco com algum karatê escroto aí. Eu só queria saber quem cê era.

Olhando para os lado o homem das letras tentou pensar no melhor caminho para sair dali. Mas caralho, o rapaz não parava de falar, dizia algo sobre sei lá o que. O escritor então verificou sua arma. Não queria ser pego com aquela porra sem estar funcionando direito. Começou a andar, mas então abriu a mochila e rabiscou qualquer coisa em uma folha vazia. Percebeu que não havia numerado as ultimas milhões de paginas e resmungou algo ininteligível consigo mesmo.

Continuar lendo

Sobre o projeto da História Não Publicada (A atrasada Novidade)

Bom, a atrasada notícia, e nem tão novidade assim, é que vou retomar um projeto que eu comecei no início do ano.

Esse projeto é um romance, assim como o Projeto Steamlesspunkless A, e seu nome oficial é “História não publicada”. No início, eu chamava assim apenas por falta de nome (embora antes tenha tido um nome aleatório que não me lembro), mas com o tempo começou a se encaixar com a história e minhas pretensões com o projeto em si.

Na verdade, falar em projeto é até estranho, porque no início foi apenas eu, assistindo um filme engraçadinho que tinha o Michael Cera, ficando com uma súbita vontade de escrever e então, acabando de ver o filme, bastante agoniado, escrevendo o que veio na minha cabeça. E, basicamente, História Não Publicada é isso. Um romance em que eu vou escrever o que bem entender.

Não é como se as coisas fossem aleatórias, não vai aparecer nenhum coelho gigante no meio da história, pelo menos, acho que não. Existe uma trama definida, mas o desenrolar dela vai ser todo ad hoc, sem planejamento, como costumo fazer. O que surgir, irei escrevendo e não vou pensar se aquilo fica interessante para a história ou para o momento. Vai ser o que vier.

No início, eu comecei a escrever História não Publicada sem ter isso em mente. Contudo, ainda assim, fazia isso. Eu sentava, escrevia o mais rápido possível e o que saísse estava lá. Escrevi 20.000 palavras e mais um pouco dessa forma e, embora olhando como um todo, eu ache que deveria mudar algumas coisas para ficar algo que eu julgasse aceitável ou mesmo publicável, isso iria trair a alma da obra.

Por que trair a alma da obra?

Continuar lendo