Projeto Steamlesspunkless A – Semana 26 – Sobre metas não alcançadas e problemas na história

Primeiro eu tenho que dizer que desta vez não consegui alcançar a meta. Pelo menos em relação ao livro. Minha meta mensal estava estabelecida como 20.000 palavras no Word por mês e desta vez eu consegui apenas 16.500. O fato me deixa um pouco chateado, afinal eu estava conseguindo manter todos os ritmos que eu havia estabelecido. Contudo, não é exatamente algo que é muito ruim, uma catástrofe ou algo parecido.

Na verdade, eu escrevi MAIS de 16.500 palavras no mês, só que 9.000 delas foram direcionadas à Última Torre. Se contar tudo, escrevi umas 25.500 palavras, o que é um valor 25% maior do que o teto que eu estava colocando, embora contemple um projeto paralelo. Certo, eu não consegui atingir o que eu queria para o livro, mas ao menos em matéria de esforço, eu continuo com o mesmo nível. Sem contar que, as metas não são algo com o qual eu deva me digladiar, mas sim me guiar. Na verdade, seria um grande problema se eu começasse a ficar muito angustiado em não cumprir a meta, pois mostraria que eu estou disposto a forçar a escrita do livro a custo da qualidade que procuro, o que, acredito, não é o caso.

Um meme triste para a meta não alcançada

Tendo dito isso, aos progressos (ou não) da semana passada:

Continuar lendo

História Não Publicada – Capítulo 4 – Parte 2

Para entender melhor este projeto (sério, é importante!).

Leia o primeiro capítulo

Não gostei desse filme, mas ele é referenciado no texto, sooo…

 

Carrancudo, anteriormente o escritor pegou um caderno e folhas avulsas. Pensou em numerar a porra toda para depois não se perder. Mas não queria perder tempo. Uma parte lateral de sua cabeça, logo atrás das têmporas, urgia, clamando para que derramasse nas paginas o que passava em sua cabeça. Começou a escrever o que lhe vinha à mente, sobre o que havia passado nos momentos que vivera nas ultimas horas. Completava informações, escrevia capítulos novos. A caneta nanquim de ponta 0.5 riscava as paginas como um louco açoitando sua vítima com uma faca. O que escreveu era frenético, sem noção, sem técnica e sem seu característico linguajar arrojado.

Se Emílio pensou em falar alguma coisa, desistiu. Algo nos olhos do Escritor podem tê-lo demovido do intento. Mas algo nos modos do homem que escrevia também trouxe um estranho sentimento de piedade e compaixão. Algo que lhe trouxe uma inusitada confiança. Parece que não eram só os campos de batalha que faziam estranhas amizades. Não era essa a frase que procurava o escritor, mas foi a que lhe veio à cabeça.

Continuar lendo