Mini-Projeto: A Última Torre – Parte 10

“Sinopse”: Mini-projeto onde mostro passo a passo o desenvolvimento de um conto utilizando o método para “design” de histórias, snowflake. Mostrarei desde o primeiro passo, resumir a história em uma frase, até a escrita do conto propriamente dita.

Para entender sobre o projeto leia a primeira postagem.

Última parte do quinto passo do método snowflake. Desta vez, um resumo do ponto de vista de um dos vilões, Jequiá. Sendo este o ultimo personagem a ganhar uma “sinopse”.

=============================================================================

Iteração 5 – Parte 4

Assim que Revan roubou a chave da Última Torre de uma dos cofres da biblioteca, Jequiá ficou sabendo. Quando o ex-guardião tentou fugir, Jequiá soube para onde ele se dirigia. Já fazia tempo que Jequiá ouvia sussurros em sua mente, murmúrios de vozes cavernosas ou cristalinas, ele soube desde o início que era o Castelo quem falava com ele, que requisitava os seus serviços. Havia aguardado por muito tempo por uma grande tarefa, antes disso fazia apenas pequenos serviços para a entidade que abrigava a todos da Encruzilhada e, quando Revan roubou a biblioteca, recebeu a sua chance.

Continuar lendo

Mini-Projeto: A Última Torre – Parte 6

Para entender sobre o projeto leia a primeira postagem sobre ele.

Quarto post sobre o mini-projeto, fim da terceira iteração. Para ler a etapa anterior: Mini-Projeto: A Última Torre – Parte 4

Aqui a segunda parte do quarto passo do método snowflake. Em uma rápida retrospectiva, esse passo basicamente se resume a expandir o parágrafo feito na segunda etapa em mais ou menos quatro parágrafos, tentando tomar no máximo uma página. No post anterior, havia os dois primeiros parágrafos, neste, os dois últimos.

Iteração 4 – Parte 2

Ao chegar na planície, primeiro Revan fica maravilhado com aquela extensão, aturdido, por alguns instantes acha que está fora do Castelo, no entanto, logo percebe a presença do Castelo a seu redor. Apesar de estar numa planície, pode encontrar corredores pedregosos no meio do nada, salões vazios, pilares que nada sustentam. Ele imagina que ali podem estar testes do Castelo. Conforme vai andando, ele percebe que as coisas parecem um pouco vivas, paredes mudam de coloração, ou ruem desmoronam com a sua passagem, arcos e pedras de construção aparecem onde não haviam. Até que, aos poucos, começa a precisar enfrentar criaturas de pedra polida, golens enviados e comandados pelo Castelo. No fim de todo seu trajeto, avista a Torre ao longe, após um rio, e para atravessá-lo precisa enfrentar seu antigo colega Jequiá, agora um agente do castelo. Quando derrota Jequiá, ele se transforma em pedra, aprisionando sua espada, além de lhe causar um ferimento fatal.

Continuar lendo