Projeto Steamlesspunkless A – Semana 24 – Outro Editor de Texto

Período de 07/01/13 a 13/01/13

Palavras no word: 114.538

paginas no caderno: 343

Certo, como eu havia falado, na semana passada eu resolvi tentar uma nova abordagem. Por alguns motivos que citei, eu não iria mais escrever as coisas antes no caderno (pelo menos do livro), mas iria direto para o computador. Teoricamente nesta semana que passou eu deveria escrever pelo menos 7.500 palavras para o livro (isso de coisa aproveitável), pois assim ficaria verificado que eu consigo fazer progresso sem ser vitimado pelas distrações do computador. Acontece que para o livro eu consegui escrever apenas 4.000 palavras… E mais 4.500 para o conto da Última Torre.

Na teoria, eu não cumpri a minha meta para o livro, no entanto, somado com o que fiz para o conto (que já terminei e enviei para a antologia, só resta aguardar), pude verificar que eu consigo perfeitamente produzir a quantidade mínima que eu queria. Para falar a verdade, se eu insistisse, eu poderia ter escrito umas 15.000 palavras no total essa semana, mas considerei que era um esforço desnecessário e que iria tomar o tempo que eu estava pesquisando, lendo e fazendo anotações para outras coisas, então deixei de lado a pretensão. Eu digo que eu poderia ter conseguido essa margem porque em um desafio pessoal, na segunda feira escrevi 3.500 palavras somando livro e conto.

Kadath – a maior inspiração para A Última Torre

É justo ponderar sobre se escrever tanto de vez é realmente uma boa coisa. Afinal, pode muito bem acontecer de eu estar escrevendo tantas palavras assim e não está realmente produzindo algo com a qualidade que procuro. No entanto, creio que o conto da Última Torre foi o melhor conto que escrevi até hoje, então tiro daí a idéia de que sim, posso escrever isso tudo aí sem estar escrevendo um monte de besteira. Tudo deve depender de disciplina. Para falar a verdade, olhando o que escrevi do livro (as partes em que foi coisa nova e não simplesmente passar do caderno para o PC), eu não tenho certeza se está tão bom quanto eu gostaria, mas uma vozinha me diz que isso deve principalmente à mudança no “paradigma” da escrita e não em como realmente a coisa está. Pedirei para algum colega ler e me dar uma opinião futuramente.

Continuar lendo

Projeto Steamlesspunkless A – Semanas 22 e 23 – “Problemas” e nova mudança de rotina

Na semana do natal, a vigésima segunda desde que comecei a escrever o livro (e também a qual não fiz nenhum registro), foi basicamente a minha semana de folga. Apenas li os livros que já estava lendo, vi alguns filmes (nenhum realmente interessante) e escrevi coisas sobre outros projetos. E, principalmente continuei com o projeto da ultima torre, embora eu não tenha postado muita coisa dele aqui.

A semana passada, que viria ser a vigésima terceira desde que comecei a escrever o livro, seria a volta ao trabalho, uma daquelas semanas que eu trabalharia mais no caderno e menos em passar coisas do caderno para o PC. Ou pelo menos essa era a Idea. Com ano novo e pré ano novo logo no início da semana, acabei ficando com apenas três dias mais fim de semana para trabalhar. Eu realmente podia ter cumprido minha meta ainda assim, mas acabei não fazendo nada.

To aceitando uma dessas de presente… Funcionou para o Neil Gaiman

Na verdade, dizer que não escrevi nada é um pouco de exagero e talvez até mesmo desrespeito com quem não gasta tanto tempo quanto eu nessa coisa. Mas o que acontece é que das 25 paginas de caderno que eu tinha que escrever, escrevi apenas 17 paginas das 25 que deveria escrever e se precisava passar 2500 palavras para o Word, passei apenas 1000. No fim das contas, não é nada que eu não possa recuperar e, inclusive, me fez perceber (na verdade, confirmar) que eu começo a ter dificuldades em escrever sobre uma mesma coisa, em paginas de caderno, quando passo da quinta pagina.

Continuar lendo

Projeto Steamlesspunkless A – Semana 21 – Write or Die

Período: 17/12/12 a 23/12/12

Páginas no Caderno: 327

Palavras no Word: 110.038

Cheguei ao quinto ciclo (porque agora não dá mais pra chamar de “mês”, já que tenho a semana de descanso) de escrita desde que comecei a fazer esses registros. Preciso dizer mais uma vez que, embora eu sempre esteja com a sensação de que o progresso está ruim, olho para as datas no caderno e vejo o quanto eu avancei. Inclusive, é algo que recomendo: quando escrever algo em caderno, coloque a data; quando você vê a página 1 com uma data de 6 meses atrás e a página 320 no dia anterior, dá uma sensação de “porra, eu realmente estou escrevendo essa merda”.

Uma imagem natalina pra não dizer que eu não comentei nada

Essa semana tive um progresso normal, eu diria. Pelo menos dentro do padrão esperado. Cheguei às 110.000 palavras, o que era minha meta. Contudo, acho que foi um pouco complicada a parte de passar para o PC. Por algum motivo, estou me cansando mais do que acontecia antes ao passar as coisas para o Word e tenho feito isso de forma apressada. Acho que estou me distraindo mais do que acontecia em tempos passados. Como resposta a isso, comecei a usar o programa Write or Die para passar as coisas para o PC. Basicamente, faço 3 sessões de vinte minutos durante o dia, durante as quais tenho de escrever 500 palavras. Incrivelmente, os dias em escrevo mais de 5 páginas no caderno são mais leves dos em que escrevo principalmente no computador.

Continuar lendo

História Não Publicada – Capítulo 4 – Parte 3

Para entender melhor este projeto (sério, é importante!).

Leia o primeiro capítulo

Uma das referências da vez foi o Lúcifer da Vertigo, de Sandman.

– O principal de um zumbi – o escritor começou a dizer para Emílio na semana passada – é a questão da transmissão de sua doença, vírus ou qualquer magia negra sobrenatural do capeta que tenha feito ele levantar do chão, não do caixão, porque eles não tem como abrir o caixão com sete palmos de terra em cima, não acredite nessas merdas. Contudo, as pessoas que nos atacaram não estão tentando nos morder, capturar para levar para algum lugar macabro ou tentar transmitir qualquer coisa que seja para nós. A não ser que de alguma forma eles saibam que seja lá o que deixou eles neste estado pode passar para a gente, mas isso seria um tanto quanto improvável. Sem contar também que uma transmissão clássica de virus zumbi não acontece assim de uma hora pra outra em todo mundo. Isso é o ponto principal eu acho. Todo mundo parece ter sido afetado ao mesmo tempo, todo mundo mesmo. Acho que vi umas quatro pessoas mortas por aí, mas tirando elas, todo mundo foi afetado e partiu para cima de mim assim que identificaram que eu não estava com ele. Isso não é coisa de zumbi. A não ser que estejamos falando de zumbi voodoo, mas eu prefiro falar, aí teríamos um ritual voodoo dos grossos pra gente encarar, que afetou todo mundo de vez. Prefiro falar de zumbis comumente usados na cultura pop.

Não soube dizer quanto tempo ficou sem falar depois disso. Apenas divagando. Lembrando do guia, dos jogos. Não lembrava de nenhum romance espetacularmente bom, apesar do quão recorrente eram zumbis, mas não queria uma história com os mortos-vivos. Ou apenas vivos, infectados. Bom, não tinham romances interessantes, mas tinha uma Hq muito boa. Seriado não tão bom contudo. E não, zumbis se apaixonando não eram romances dignos.

Continuar lendo

Mini-Projeto: A Última Torre – Parte 9

Sinopse: Mini-projeto onde mostro passo a passo o desenvolvimento de um conto utilizando o método para “design” de histórias, snowflake. Mostrarei desde o primeiro passo, resumir a história em uma frase, até a escrita do conto propriamente dita.

Para entender sobre o projeto leia a primeira postagem.

 

 

Penúltima parte do quinto passo do Snowflake. Aqui fiz uma sinopse baseada no ponto de vista da mulher da floresta.

========================================================================================

Iteração 5 – Parte 3

Já faziam alguns anos que Ellira abandonou os corredores de pedra, os grande salões, as cidadezinhas e os amontoados de gente. Havia vivido uma vida complicada, sempre perseguida por causa de sua capacidade de usar a Canção. Não podia negar que gostava de toda a viagem que acabava tendo que fazer, fugindo de agentes do Castelo e das pessoas desconfiadas, mas quando soube estar esperando um filho, decidiu que tinha que dar um basta para tudo aquilo. Que outros cumprissem seu papel.

Isolou-se nos pântanos, um lugar estranho, com pouca gente e perigoso se você não entendê-lo. Mas ainda assim, lá ninguém os procuraria, estariam escondidos dos agentes do Castelo e de outros perseguidores. Por muitos anos viveu em paz, sem contato nenhum além de breves encontros com outros dos elusivos moradores do pântano. No entanto, poucos dias depois de seu filho fazer dez anos, encaminhou à mãe um guerreiro ferido, quase moribundo.

Continuar lendo

Projeto Steamlesspunkless A – Semana 18 – Volta ao Trabalho

Acho que não há tanto a se dizer sobre essa semana que passou. Terminei a escrita o capítulo 20, que era focado em uma das personagens, e iniciei / quase terminei o 21. Estou com um pouco de medo em relação a essa parte do livro, porque o ritmo dá uma queda muito brusca. Em geral, desde o capítulo 18, tudo o que o leitor recebe são conversas entre diversos personagens que se preparam para o que virá, um pouco de revelação sobre alguns deles e também interações em que mostram um pouco mais da personalidade de cada um.

More Work?! Work work…

O objetivo é que isso seja uma grande calmaria antes da tempestade que tem o seu início logo no fim do capítulo 21, que marca uma aceleração no ritmo da trama, mas tenho medo de não conseguir fisgar devidamente o interesse. Em geral, isso se deve porque algumas cenas ficaram galhofas demais. Não sei se sou bom mostrando um lado mais “sentimental” dos personagens. E de certa forma estou achando algumas ações e reações um pouco inverossímeis, decorrentes de uma falta de maturidade minha em (d)escrever coisas mais adultas. Mas acredito que nesse ponto, ainda não posso fazer nada. Certamente não estou escrevendo um shonen que nem Naruto, mas em seriedade não chega a ser um Guerra dos Tronos.

Continuar lendo

Projeto Steamlesspunkless A – Semana 17 – Semana de descanso trabalhosa

Primeiro de tudo. Minha semana de descanso foi um fracasso. Primeiro porque eu acabei encontrando outras coisas para trabalhar, como por exemplo minha novíssima idéia para um novo projeto de fantasia dessa vez passado no Brasil império.

De uma forma ou de outra, acabei gastando a mesma quantidade de tempo com a escrita, embora tenha sido menos cansativo porque não precisei seguir nenhuma meta ou escrever cinco paginas de caderno por dia. No inicio eu fiquei um pouco receoso de que na volta ao trabalho do projeto Steamlesspunkless eu acabasse não conseguindo pegar o ritmo de novo. Mas, spoiler para o registro da semana que vem, isso acabou não acontecendo.

A semana de descanso não foi bem assim

Como eu havia falado anteriormente, essa semana também foi para tratar de re-organizar a segunda parte do livro. Nenhuma mudança na plot em si, apenas no ritmo e no clima. Eu queria dar um aumento no passing para dar o tempo da história passar a ideia de que o clímax está se aproximando. Sem essa alteração, o clímax praticamente cairia na cabeça do leitor. Creio que possa ser interessante em algumas coisas, mas não iria servir para mim.

Continuar lendo