Meu problema com nomes no projeto SteamlessPunkless

Existe um problema com nomes no projeto SteamlessPunkless (que a partir de agora passarei a me referir mais como A Gema dos Meahdirr). E antes que certo indivíduo bovino, que saberá que está sendo citado, não se trata dos nomes APARENTEMENTE – deixo claro u_u – sejam difíceis de se pronunciar. Ou pelo menos não exatamente.

Quando eu comecei a escrever as primeiras coisas que viriam a fazer parte do mundo de Cmyvllaeth, onde A Gema dos Meahdirr estará ambientado, eu não sabia ainda que eu iria querer uma fantasia que não fosse medieval. E para falar a verdade, eu não tinha lá tanta experiência literária para pensar em coisas menores como nomes. Então, fiz basicamente o que todo iniciante na fantasia deve fazer quando se trata de fantasia medieval. Nomeei as coisas baseando-me em livros de fantasia medieval que eu conhecia.

Acontece os nomes em tais obras eram basicamente de origem inglesa, celta, escandinava – européia em geral – ou eram criações baseadas em línguas fictícias que embora não estivessem ligadas per se a nenhuma língua, foram feitos tendo em mente leitores de língua inglesa.

Esse é o padrão dos nomes na literatura de fantasia medieval. Senhor dos Anéis é assim, Brumas de Avalon é assim, infinitos livros de RPG são assim. Então é mais do que normal que alguém que está iniciando no gênero siga essa formula de forma um tanto quanto irrefletida.

Continuar lendo

Mini-Projeto: A Última Torre – Parte 15 – Fim

“Sinopse”:  Este é um mini-projeto onde mostro passo a passo o desenvolvimento de um conto utilizando o método para “design” de histórias, snowflake. Mostrarei desde o primeiro passo, resumir a história em uma frase, até a escrita do conto propriamente dita. Para entender mais sobre o projeto leia a primeira postagem.

Aqui acaba o projeto da Última Torre. Na verdade, faltaria ainda escrever o conto, se já não tivesse feito isso por causa das datas da antologia da 9Bravos. Eu havia dito inicialmente que iria mostrar todo o processo do snowflake utilizando esse conto. No entanto é algo que não faria sentido e vou explicar o porquê.

A partir da sétima etapa, como vocês que leram tudo podem imaginar, o processo do Snowflake vai esmiuçando ainda mais as coisas. Eu iria na sétima iteração falar mais ainda sobre os personagens, detalhar tudo deles o que eu poderia e, dentro de uma história pequena, que não havia mais necessidade de expandir o histórico dos personagens. Principalmente porque o meu conceito de falar tudo o que for possível sobre um personagem, da forma como eu faço, envolve passar um mês respondendo perguntas em um documento que acaba com quase trinta páginas.

De certa forma eu poderia fazer isso, mas dentro dos processos que seriam válidos e úteis para um conto sem continuações, não há necessidade, podendo até atrapalhar, embora possa ser uma idéia interessante para desenvolver os personagens para serem usados posteriormente.

Continuar lendo

Mini-Projeto: A Última Torre – Parte 11

“Sinopse”: Mini-projeto onde mostro passo a passo o desenvolvimento de um conto utilizando o método para “design” de histórias, snowflake. Mostrarei desde o primeiro passo, resumir a história em uma frase, até a escrita do conto propriamente dita. Para entender mais sobre o projeto leia a primeira postagem.

Agora começo a sexta etapa do snowflake. Esta etapa é novamente sobre expandir o conteúdo da história. Aqui, é preciso transformar cada um dos quatro parágrafos que resumiam a história em uma pagina completa.

Nesta postagem, terá a pagina que foi escrita baseada no primeiro parágrafo, então dando seguimento, mostrarei as páginas subseqüentes.

=============================================================================

Iteração 6 – Parte 1

Por toda a sua vida os sonhos acompanharam Revan, no entanto, apenas com cinqüenta anos que a realização o atinge e ele percebe que aquele é o seu destino, que é o que precisa fazer. Sendo um dos mais confiáveis homens de armas da encruzilhada, um dos Guardiões da biblioteca, não foi difícil entrar nos cofres onde residia a chave da Última Torre, e ele a pegou sem remorso algum. Não poderia se arrepender, não depois de saber que os sábios haviam lhe contados mentiras por toda a sua vida, que ele havia trabalhado em ajuda a exatamente aquilo que pensava combater. Contudo, Revan não imaginava que seria descoberto tão rápido.

Continuar lendo

Projeto Steamlesspunkless A – Semana 20 – Duas Dezenas Completas

Essa foi a segunda dezena que completei desde que comecei a escrever esses relatórios ou qualquer coisa que eles sejam. Acho que minha situação não mudou muito com o passar do tempo, continuo com as mesmas inseguranças, os mesmos medos e continuo olhando para o livro e achando uma bosta. Na verdade, provavelmente isso se intensificou um pouco. Contudo, é interessante ler posts anteriores e ver que eu ainda estava na primeira parte do livro, ou que sequer tinha atingido 50.000 palavras. Na época isso me parecia bem significativo, uma enorme barreira vencida, agora vejo que foi só mais uma etapa e consigo notar que estou progredindo bastante na escrita do livro. E claro que eu não reli posts antigos, não tenho tempo pra isso.

No decorrer dessas várias semanas, a partir de determinado ponto eu comecei a reclamar que eu estava achando alguma coisa estranha na forma como a narrativa estava saindo, como se estivesse diferente do inicio do romance ou coisa parecida. Foi até por isso que eu voltei a escrever no caderno, para tentar recuperar isso. Bom, eu acabei percebendo o que era. Ou pelo menos parte da questão.

Acontece que no início das coisas que escrevi, eu entrava mais no psicológico dos personagens, sem ter medo de dizer que ele sentiu aquilo ou fez tal coisa por causa disso, contudo, com o passar do tempo, de alguma forma entrou na minha cabeça que eu não tinha escrito dessa forma, que eu havia tentado mascarar isso para o narrador não “entrar na cabeça dos personagens”. Aí em vez de eu falar que tal pessoa sentiu uma raiva assim e assim, eu comecei a dizer que ele parecia com raiva.  Pode parecer uma coisa pequena, mas não junção de vários momentos e em se tratando de outras possibilidades, pode mudar bastante coisa.

Continuar lendo

Mini-Projeto: A Última Torre – Parte 9

Sinopse: Mini-projeto onde mostro passo a passo o desenvolvimento de um conto utilizando o método para “design” de histórias, snowflake. Mostrarei desde o primeiro passo, resumir a história em uma frase, até a escrita do conto propriamente dita.

Para entender sobre o projeto leia a primeira postagem.

 

 

Penúltima parte do quinto passo do Snowflake. Aqui fiz uma sinopse baseada no ponto de vista da mulher da floresta.

========================================================================================

Iteração 5 – Parte 3

Já faziam alguns anos que Ellira abandonou os corredores de pedra, os grande salões, as cidadezinhas e os amontoados de gente. Havia vivido uma vida complicada, sempre perseguida por causa de sua capacidade de usar a Canção. Não podia negar que gostava de toda a viagem que acabava tendo que fazer, fugindo de agentes do Castelo e das pessoas desconfiadas, mas quando soube estar esperando um filho, decidiu que tinha que dar um basta para tudo aquilo. Que outros cumprissem seu papel.

Isolou-se nos pântanos, um lugar estranho, com pouca gente e perigoso se você não entendê-lo. Mas ainda assim, lá ninguém os procuraria, estariam escondidos dos agentes do Castelo e de outros perseguidores. Por muitos anos viveu em paz, sem contato nenhum além de breves encontros com outros dos elusivos moradores do pântano. No entanto, poucos dias depois de seu filho fazer dez anos, encaminhou à mãe um guerreiro ferido, quase moribundo.

Continuar lendo

Mini-Projeto: A Última Torre – Parte 6

Para entender sobre o projeto leia a primeira postagem sobre ele.

Quarto post sobre o mini-projeto, fim da terceira iteração. Para ler a etapa anterior: Mini-Projeto: A Última Torre – Parte 4

Aqui a segunda parte do quarto passo do método snowflake. Em uma rápida retrospectiva, esse passo basicamente se resume a expandir o parágrafo feito na segunda etapa em mais ou menos quatro parágrafos, tentando tomar no máximo uma página. No post anterior, havia os dois primeiros parágrafos, neste, os dois últimos.

Iteração 4 – Parte 2

Ao chegar na planície, primeiro Revan fica maravilhado com aquela extensão, aturdido, por alguns instantes acha que está fora do Castelo, no entanto, logo percebe a presença do Castelo a seu redor. Apesar de estar numa planície, pode encontrar corredores pedregosos no meio do nada, salões vazios, pilares que nada sustentam. Ele imagina que ali podem estar testes do Castelo. Conforme vai andando, ele percebe que as coisas parecem um pouco vivas, paredes mudam de coloração, ou ruem desmoronam com a sua passagem, arcos e pedras de construção aparecem onde não haviam. Até que, aos poucos, começa a precisar enfrentar criaturas de pedra polida, golens enviados e comandados pelo Castelo. No fim de todo seu trajeto, avista a Torre ao longe, após um rio, e para atravessá-lo precisa enfrentar seu antigo colega Jequiá, agora um agente do castelo. Quando derrota Jequiá, ele se transforma em pedra, aprisionando sua espada, além de lhe causar um ferimento fatal.

Continuar lendo

A new Project appears!

Não é exatamente um projeto. Mas sim uma experiência. O fato é que eu tenho que escrever um conto para a antologia da editora 9Bravos. Bom, na verdade não tenho, mas sendo uma editora soteropolitana, coloquei em minha cabeça que sim, tenho, para prestigiar a iniciativa. Eu iria começar lá pro meio de dezembro, mas decidi fazer disso uma nova experiência, então vou começar logo.

Se você acompanha o meu blog, sabe que me baseei em um método chamado snowflake para organizar o meu primeiro livro, O Projeto SteamlessPunkless A, e se você não acompanha o blog, provavelmente não se importa.

O fato é que o snowflake é um método para se fazer design de romances. Ele auxilia o escritor a organizar as idéias e evitar pontas soltas, idéias mal planejadas em histórias grandes. Não cheguei a usar inteiramente em meu livro, mas parcialmente. Minha idéia para agora é tentar usar ele para um conto de até 9000 palavras (e se você me conhece, ele terá 9000 palavras) e ver o que sai disso. Provavelmente, terei que fazer algumas adaptações, mas ei, é uma experiência.

O método snowflake consiste em 10 passos que vão desde resumir a história em uma frase, passando por resumir os capítulos até começar a escrever o livro. Não passarei por todas as etapas porque não fariam sentido para um conto, mas ainda assim, devo chegar mais ou menos até a sete.

Dentro da proposta do blog, irei mostrar os passos e falar sobre o processo criativo. Amanhã (ou hoje mais tarde) devo começar com o primeiro passo. Eu já sei sobre o que irei escrever, será baseado em um conto curto que escrevi para a fábrica dos sonhos, com o tema Torre, na verdade, uma extensão dele. Não sei se vai ser aceito ou não na antologia, até porque a minha ideia é me inspirar em “À Procura de Kadath” do H.P Lovecraft, e isso significa que não terá diálogo nenhum e, em geral, um pouco chato para a maioria das pessoas. Não sei se serei bem sucedido, mas tenho que tentar.

O prazo para entrega do conto é até dia 10, então, é a minha meta. Vou tentar fazer algo diferente e fazer comentários dia-a-dia sobre como está sendo o processo da escrita e “design” do conto.

Como meu tempo não é infinito, essa atividade tomará o lugar da escrita do longevo conto de terror pseudo lovecraftiano e do worldbuilding de Cmyvllaeth. Não vou deixar de escrever esses dois, mas será nas horas vagas agora, não algo “oficial” que irei me preocupar.

Renan Barcellos, que bebia agua

e que também tinha algumas vinganças por fazer