Relatos de um início, ou “como comecei a escrever fantasia medieval”

Cmyvllaeth começou a se formar no final de 2008, quanto eu estava no terceiro ano. Naquela época esse mundo era simplesmente de fantasia medieval, um bom genérico, inclusive. E também não tinha esse nome. Na verdade, não tinha nome eu o chamava de Norrath quando tinha que chamar de alguma coisa, porque era um nome legal (embora fosse o mundo do MMORPG Everquest).

Naqueles tempos eu já escrevia há algum tempo, há quase dois anos eu acho, mas tinha escrito apenas uma fan fiction¹ de Resident Evil, um tanto de uma história sobre vampiros (do tipo que não brilha!), o conto “Caminhos para a Verdade” (que apesar de escrito nas coxas é um dos meus preferidos e muito importante para minha “carreira”) e uma redação que muitos meses mais tarde seria reescrita sob forma do conto de terror “Às vinte horas na rua 12”, cujo título eu já considerava terrível naquela época.

Este é o verdadeiro mundo de Norrath e, desde aquela época o meu cenário não se parecia nada com ele.

Mesmo sendo fã de fantasia medieval desde os oito anos eu nunca havia pensado em uma história desse gênero ou de outro parecido para escrever. Até que eu vi numa banca uma daquelas revistas que vêm com CD de jogos e essa trazia o RPG Maker².

Continuar lendo